Conheça sobre a UENH

A União dos Estudantes de Novo Hamburgo (UENH) é uma entidade que representa os estudantes de 5ª a 8ª séries do ensino fundamental, estudantes do ensino médio, cursos técnicos e profissionalizantes, hoje sediada na rua Gomes Portinho, 294; centro. Durante esses anos de história, a UENH travou muitas lutas em defesa do estudante. Enfrentou a ditadura militar, teve grande participação na criação na União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), lutou pelas Diretas Já e pelo direito da juventude votar aos dezesseis anos. Esteve à frente das mobilizações em Novo Hamburgo pelo impeachment do presidente Fernando Collor de Mello, pelo meio passe estudantil e recentemente conquistou a lei da meia-entrada cultural para estudantes. Dominou os movimentos de ocupações em escolas no ultimo ano, impedindo enormes retrocessos para os estudantes do País, como a privatização da escolas e reformas na educação.

Histórico

Desde 14 de março de 1948 na luta

A UENH foi fundada em 14/03/1948. O 1º presidente da UENH foi Adolfo Zimmermann Neto . Já em seu primeiro ano, a UENH realizava atividades que se tornaram tradicionais, como a Rainha dos Estudantes, Concurso Literário, e equipes de esporte. Em 1949 surgiu o grupo de teatro da UENH, encenando a ‘A Flor do Manacá’. Em 1949, o presidente foi Caspar Eirch Stemmer, posteriormente reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (de 1976 a 1980) e Ministro da Ciência e Tecnologia (entre 1994 e 1995). Na época, o jovem de 19 anos lutava por uma biblioteca, pois “a biblioteca pública abre em horários diferentes das aulas nas escolas”. Em 1950, a UENH organizou uma grande campanha para combater a peste branca, adquirindo antibióticos. A primeira sede da UENH foi na rua Mariano de Mattos número 76, em 1951, onde realizava atividades como saraus musicais, cursos de francês e inglês, reuniões dançantes, teatro e orquestra de cordas. Em 1952, o presidente foi Sérgio Borgatto. O ano de 1955 teve a frente Nestor Wennholz e 1956, Waldir Heidrich. Em 1958 foi a vez de Sérgio Haas. A gestão de 1959 foi de Marcos Hennemann, Gilberto Mossmann estava no Conselho Fiscal. Em 1960, a UENH teve um programa na Rádio Progresso, chamado “A Hora Estudantil”. Na chamada “Semana Estudantil”, angariam fundos para a região Nordeste, mostrando a preocupação dos estudantes com as causas sociais.

Para o período de 62/63, há o registro da primeira mulher presidente da UENH, a estudante Sandra Hack, que foi vice presidente da Câmara de Vereadores em 1972. Nesta gestão Marcos Fehse foi vice presidente, sendo presidente na gestão 63/64. A Diretoria para o período de 64/65, tinha na presidência Franco Camerini. Ainda integravam esta diretoria Marcus Vinícius Bossle, Júlio Cézar Camerini (ex-diretor da FENAC) , José Flávio Bueno Fisher (hoje TABELIÃO), Claudio Spindler (ex-presidente da Câmara de Vereadores de NH). Como podemos ver a UENH sempre foi uma escola de participação política e cidadã, formando líderes de nossa cidade. A gestão de 65/66, teve como presidente Nilton Laerte da Silva, que em 1965 foi eleito vice-presidente da União Gaúcha de Estudantes, tendo que renunciar a presidência da UENH, que foi assumida por Ricardo Fischer. No ano de 1966 a eleição da UENH foi vencida por Paulo Rogério de Lima. Na gestão 67/68 o presidente foi Carlos Alberto de Souza, que contou com o apoio de Clóvis Bondan (hoje integrante da ASPEUR da Feevale) Em 1969 em nome dos estudantes hamburgueses, falou o jovem Pedro Valdir Muller, que presidiu a entidade até 1973.

Após assumiu a entidade Dejair Krumeman, na gestão 73/74, seguido por seu irmão Sílvio Krumeman na gestão 74/75. Na época a luta era pela liberação pela Censura das peças teatrais que participavam do Festival de Teatro Estudantil. Telmo Jorge Fleck presidiu a organização estudantil em 76/77. Em 21, 22 e 23 de março de 1975, Novo Hamburgo sediou o Festival Estadual de Teatro Estudantil. O grande sucesso do Festival, que contou com a presença ilustre do Embaixador Pascoal Carlos Magno, foi a peça apresentada pelo Grupo Teatral da União de Estudantes de Novo Hamburgo. A Gestão 77/78 teve como Presidente Gilberto Fernandes Millão. E entre 78/79, Carlos Antônio Finck (hoje secretário de turismo de NH). No ano de 1980, Gilberto dos Reis assumiu interinamente a UENH, que vinha de um breve período de inatividade.

Em 1983, foi eleito Anildo Leal Matsdorf, gestão recontrução. A diretoria de 84/85 teve a frente João Valderi dos Santos, hoje diretor do Jornal de Canudos. E a gestão seguinte (85/86) foi presidida por Altemir Mello, tendo como vice o falecido Carlos Filho. Em 87/88 o presidente foi Luis Mauro Silva, e 88/89, André Cruz Martins. Os anos 80 marcam a conquista do meio passe estudantil em Novo Hamburgo, em 1988. Na luta pelas eleições diretas para presidente a UENH também marcou presença ativa. No final dos anos 80 o presidente foi Denilson Mattivi (89/90) e em 1990/91 , Valnei Rodrigues tendo como vice Plácido Crescente. Na gestão 91/92 o presidente foi Ivo Altemiro Hugentobler e em 92/93, ocupou a presidência da UENH, Rodrigo Steffen.

O início dos anos 90 marca a luta dos estudantes o “Fora Collor’. No final de 94 foi eleito Fábio Juliano Wasem presidente da UENH, ainda naquele ano foi conquistada a atual sede da entidade ( na rua Gomes Portinho, 294). A gestão de 95/96 foi presidida por Daniel Henz. Entre 96 e 97 o presidente foi Rômulo Messias Kipper, que posteriormente foi diretor de políticas públicas de juventude da Prefeitura de Novo Hamburgo. 97/98 foi a vez de Djeison Cleber das Neves, que hoje é sindicalista na área do comércio. Djeison voltou a ser presidente na gestão 99/2000. Em 98/99, uma mulher voltou a ocupar a presidência da UENH, a jovem Carla Taís dos Santos, que ao final de seu mandato na UENH foi eleita presidente a União Brasileira de Estudantes Secundaristas. A gestão 2000/2001 teve a frente Ivandro Morbach, que hoje trabalha com a deputada Manuela D’Ávila, e preside o PCdoB de NH. 2001/2002 e 2002/2003, foi a vez de Dionísio Hatzenberger.

O final dos anos 90 e o início do novo século foram marcados por lutas em defesa da escola pública e contra a política neoliberal da época. Em 2003/2004, Maciel Firmo ocupou a presidência da UENH, e com a renúncia deste, a estudante Camila Luisa Morbach completou o mandato. Entre 2004/2005, o presidente foi Carlos Ramone Kreuz, e 2005/2006 e 2006/2007, Fernanda Schultz, que foi também secretária geral da União Gaúcha dos Estudantes. A gestão de 2007/2008 foi de Ana Lúcia Velho, estudante da Liberato. Entre 2008/2009 foi a vez de Tiago Morbach, estudante do curso de tradutor intérprete do 25 de Julho. Já em 2009/2010, a jovem Gabrielle Mendonça, também do 25 de Julho, esteve a frente da entidade. 2010/2011 foi presidente a estudante Laura Schimittz Sicheski – Vila Becker.

  • 2011/2012 – Rafael Beck – 25 de Julho
  • 2012/2013 – Tatiane Salazar - Plangg/ movimentos nas ruas pelo passe livre
  • 2013/2014 – João Alexandre – 25 de julho/ João das massas
  • 2014/2015 – Mateus Massia – 25 de Julho/ acompanhado de Yasmim Passos
  • 2015/2016 – Gabriel Haupt – Liberato / Ocupações das escolas
  • 2016/2017 – atual presidente Yasmim Keylla dos Passos – Seno Frederico (Ciep)
OBS: Elaborado com informações da historiadora Deusa Maria de Souza.

Nossas principais bandeiras são:

Não ao neoliberarismo

Na década de 1990, a UENH resistiu contra as privatizações em setores estratégicos do país e o sucateamento da educação nos governos Fernando Henrique Cardozo.

Meia entrada cultural

A UENH trabalha para que os termos da Lei 12.933 (Lei da Meia entrada) sancioanada em 2013 sejam cumpridos à risca, pois essa é uma luta histórica.

Educação de Qualidade

A entidade cobra a expansão e reformulação do ensino técnico, sob o bordão “Queremos mais do que apertar parafusos”.

Respeito á Democracia

Os secundaristas foram a linha de frente nas Diretas Já!, conquistaram a Lei do Grêmio Livre e o voto facultativo para adolescentes de 16 e 17 anos.

Membros

A UENH tem muito orgulho dos seus membros.

Presidente

Yasmim Passos

Presidente

Presidente

Pristine da Silva

Dir. Escolas Particulares

Presidente

Samuel Lili Six

Secretário

Presidente

Caroline Peres

Dir. Escolas Públicas

Onde estamos?

Faça uma visita a UENH, deixe sua reclamação, sugestão, denúncia... Será um prazer recebê-lo.

Depoimentos

Representa muito bem o movimento estudantil Gaucho. Sou secundarista e me sinto representada por essa galera massa.
Ana Rafaela
A melhor representante dos estudantes de Novo Hamburgo.
Ricardo Bento
Fazendo valer nossos direitos e sempre buscando deixar os estudantes ativos no movimento estudantil, que não pode parar!!!
Kely Patrícia Lima Silva